Anterior
Próximo

‘Você já tirou o meu pai, não tira minha mãe’, disse filha de mecânico após crime na Serra

Facebook
Twitter
LinkedIn

Após as investigações, a polícia concluiu que o mecânico, morto em outubro, era inocente. Dois homens apontados como autores do crime foram presos

Dois homens apontados pela polícia como autores do assassinato de um mecânico de 49 anos, ocorrido em outubro de 2021, no bairro Cidade Nova da Serra, foram presos após um deles postar vídeos desafiando policiais. 

Gustavo Henrique Prachedes, 29 anos, é dono de um material de construção localizado no bairro. Segundo a polícia, ele respondia em liberdade por um homicídio ocorrido em Vila Velha e é considerado de alta periculosidade. 

O outro preso é Rafael Jardim da Silva, de 26 anos, amigo de Gustavo. Três meses após o crime, as investigações concluíram que os dois são os assassinos de um mecânico, morto na frente da filha de 6 anos e da esposa. 

Segundo o delegado Rodrigo Sandi Mori, o homem morreu inocente e não era o alvo da dupla. Gustavo e Rafael, na verdade, queriam o amigo dele, que estaria cometendo pequenos furtos na região. 

“O motivo do crime está relacionado ao fato desse homem estar cometendo pequenos furtos no bairro, inclusive teria furtado alguns objetos do material de construção do Gustavo. Por ele acreditar que ele estava dando abrigo a esse homem, eles foram até sua residência, não acharam a vítima pretendida e acabaram executando o homem, que nada tinha a ver com a história”,  explicou Sandi Mori. 

No dia do crime, Gustavo arrombou a porta de entrada da residência e se deparou com a mulher e a filha do mecânico, de apenas 6 anos. 

“Quando perguntou sobre o paradeiro do homem que ele procurava, ela respondeu que ele não estava no local, mas tinha passado na residência no dia anterior. Não satisfeito com a resposta, ele apontou uma arma para a criança e a vítima saiu do quarto, perguntando se ele estava doido de apontar a arma para sua filha”, contou o delegado. 

‘Você já tirou o meu pai. Não tira minha mãe’

Gustavo não teria gostado do questionamento e atirou na boca da vítima, na frente da mulher e da criança. Depois, segundo a polícia, ele ainda segurou o cabelo da mulher e encostou a arma no pescoço dela, mas a arma mascou. 

“A criança então disse: ‘você já tirou o meu pai, não tira a minha mãe’. Não satisfeito, em uma atitude ainda mais covarde, ele segurou o cabelo da criança, encostou a arma na cabeça dela e disse para a mãe: ‘se você abrir a boca e contar para alguém, eu mato vocês duas’, contou Sandi Mori. 

Atuando como delegado há uma década, Sandi Mori afirma nunca ter visto um crime de tamanha brutalidade contra uma vítima  inocente.

“Em 10 anos de profissão, eu nunca peguei um caso desse, com tamanha covardia. Mataram um inocente, colocaram uma arma na cabeça de uma criança de 6 anos que até hoje está traumatizada por ver o pai ser morto na frente dela”, lamentou. 

Fonte: Folha Vitória

Notícias Recentes